Sim, achei melhor fazer algo sem spoilers. Sei que muitos de vocês já leram, mas sei que a maioria ainda está lendo ou nem sabe do que to falando.

E pra quem não sabe, estou aqui para aguçar o interesse de vocês.

Então, não se preocupe… não haverá nenhum…

Obrigada River.

 

Shada é um episódio escrito por Douglas Adams que não foi para a TV, episódio “perdido” durante anos na história da série clássica Doctor Who.

O Livro é uma adaptação de Gareth Roberts. Agora você me pergunta: porque uma adaptação? Não, eu não sei quando usar cada “porque”

A explicação vem da minha mente genial do próprio Gareth Roberts, que explica no posfácio do livro.

Antes que vocês surtem, ISSO NÃO É SPOILER!

Ele explica que o próprio Douglas Adams não estava satisfeito com o roteiro que ele escreveu. O fato de ter um prazo para entrega fez com que a história não saísse como ele queria. E não é que ele não pudesse escrever uma ótima história, mas schedule muitas vezes pode prejudicar um trabalho bem feito.

Na verdade, não era o caso dele, DNA era perfeccionista ao extremo, então ele teve vários motivos para… meio que odiar Shada.

O próprio Roberts conta que algumas partes do roteiro pareciam estar meio que em aberto, diálogos não concluídos, história que tem começo mas não tem explicação… então, ele foi adaptando, encaixando mais informações, claro, mantendo bem o estilo Douglas Adams de ser escrever.

Acho que quando você vive numa época em que O Guia foi escrito e passando no rádio ao mesmo tempo E a série pra tv está sendo produzida, fica mais fácil captar bem o estilo do autor falei bonito agora

 

A capa gringa é mais bonita que a nossa.

Bom, vamos ao que interessa, O LIVRO!

A história se passa no fim dos anos 70. Com várias personagens, o Doctor, e uma companion.

 

 

A historia basicamente é de um vilão meio surtado  como todos na série chamado Skagra, que ninguém sabe quem é ao certo, e que anda roubando as mentes e sabedoria de muita “gente” no universo. E o objetivo dele é chegar até Shada. O que é Shada? SPOILEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEERRRRR

Eu não vou contar o que é, mas a maioria das sinopses que você vê por ai (principalmente em inglês) explica o que é, o que pode fazer perder um pouco a graça.

O objetivo desse post é dizer se foi bom ou não, e posso te falar que foi BOM DEMAIS acende um cigarro

A escrita bem característica do DNA, as referências que ele faz (tem uma no fim do livro que eu simplesmente enlouqueci, mas ainda não sei se é referência dele ou do Gareth), houveram várias coisas que me fizeram lembrar do Guia (como Betelgeuse, e o fato do ser humano sempre fazer uma grande merda quando tenta ajudar, e ajuda sem nem ao menos estar pensando no assunto).

A forma como o livro é divido me lembra muito os arcos da série clássica. O livro é divido em 6 partes, e em cada parte tem um pouco mais de 10 capítulos (estou me baseando na primeira parte, que tem treze, porque o livro não tem índice, e eu só reparei nisso agora enquanto escrevo…. e quem estiver com o livro deve estar procurando nesse exato momento). Ótimos detalhes dos personagens, dos cenários, e pra quem já assiste a série, fica ainda mais fácil de montar o episódio na própria mente.

E olha com quem a aventura se passa (isso não é spoiler porque tá na contracapa do livro):

Quero esse cachecol. APENAS.

Mais uma história bem escrita, mais um vilão maluco, muitas risadas com a prepotência do Doctor e genialidade do Doctor (até ele se surpreende com isso em alguns momentos), e mais um livro que me deixa triste quando acaba. Agora tá rolando aquele vazio no peito, como todo fim de livro.

Ainda mais fã da série, ainda mais fã do Douglas Adams, e agora uma nova fã do Gareth Roberts. Obrigada por nos proporcionar isso.

 

Agora uma dúvida: Gareth no posfácio conta como teve acesso às cópias do roteiro, tanto antigas quanto mais recentes, rascunhos e coisas do tipo, em um determinado momento momento ele diz

“A maior descoberta veio na forma de duas páginas de caderno nas quais, à mão, uma cena inteira fora reescrita. Nunca antes publicadas, ninguém jamais suspeitou de sua existência, mas eram sem dúvida alguma o trabalho de Douglas. Veja se você consegue adivinhar de que cena se trata, considerando-se que eu próprio acrescentei algumas cenas”

Sinceramente, se for o que eu to pensando, é genial. Mas posso estar errada. Pra quem leu, coloque sua opinião sobre o que ele quis dizer.

 

Bom, é isso, espero que tenham tido a paciência de ler toda a minha baboseira a minha humilde opinião sobre uma das minhas séries favoritas escritas por um dos meus autores favoritos.

E fiquem com isso….. Shada no youtube!

Ainda não assisti (e não sei se tem tudo), mas achei interessante. ^^

Ah sim… o motivo porque esse episódio não foi ao ar: greve. Roteiristas, atores, equipe técnica, todo mundo em greve. Douglas Adams ficou bem feliz.

Written By

May

Uma whovian que nunca esquece de levar sua toalha na TARDIS e nunca dispensa uma xícara de chá. Ainda acha que vai encontrar a pergunta fundamental sobre A Vida, o Universo e Tudo o Mais em alguma viagem no tempo ou no espaço.