Mais um papo Vogon NOOO AAAARRRR

E nesse episódio, tivemos uma viagem interestelar nas ideias. Mais exatamente, falamos sobre vários assuntos que parece uma coisa, mas é outra

E algumas coisas que as pessoas acreditam fortemente que são verdade, e a gente acha um absurdo cof cof Terra Plana cof cof 

E no Campo de MOP tivemos um e-mail maravilhoso do nosso querido Thiago Meister(Pythonenando) – viu, tocamos a música que você pediu – e abaixo você vê o vídeo citado:

E um áudio do David Haddock – segue tradução: 

(minuto 16:18)

Nascido no final da década de 1960, não tinha idade suficiente para ouvir comédia no rádio às 10:30 da noite em março de 1978, quando o primeiro episódio de O Guia do Mochileiro das Galáxias foi transmitido. Logo depois foi reprisado em horários mais acessíveis, mas eu não estava ciente da série até aparecer em forma de livro, que eu li em um momento impressionável, o começo da minha adolescência.

Naquele momento Douglas Adams para mim era um garoto local que havia se dado bem. Ele frequentou a escola que ficava poucos quilômetros de onde meus pais se mudaram quando eu tinha três anos, embora ele já tenha ido para Cambridge até então. Tendo seus livros na biblioteca da escola mencionando minha cidade natal em sua biografia foi inspirador, mas minhas repetidas leituras  também significam que o conteúdo teve um impacto profundo na minha visão da vida. Visivelmente uma comédia que também tem uma profundidade que pode levá-lo mais fundo se você deixá-la. A resposta à pergunta fundamental sobre a vida, o universo e tudo mais pode ser 42, que o autor manteve como apenas uma piada, e algo que ele descreveu como sendo o mais engraçado dos números de dois dígitos. Isso pode levá-lo a pensar sobre o que é a pergunta certa para uma situação em particular, e também sobre aqueles que afirmam ter todas as respostas.

Pensar sobre essas coisas nos primeiros anos da sua adolescência afeta você por toda a vida. No entanto, quase quarenta anos depois daqueles primeiros escritos do Guia, eu ainda posso encontrar novas idéias e piadas. Foi há alguns anos atrás, depois de obter um smartphone, percebi que Douglas escreveu sobre a interface de gestos no final da década de 1970. Como ele fez isso? Há também o seu trabalho de não ficção para desfrutar. Sua tecnologia de 1990, então pré-WWW, o documentário de tecnologia, Hyperland, foi uma tomada interessante no futuro, assim como seus documentários de rádio, The Internet: The Last Battleground of the 20 century (2000) e The Hitchhiker’s Guide to the Future (2001). Depois, há Last Chance to See, uma série de livros e rádio onde ele viajou o mundo com o zoólogo Mark Carwardine para olhar criaturas ameaçadas de extinção. Isso incluiu uma viagem ao Amazonas em busca
deo peixe-boi. Este livro tem algumas de seus textos mais engraçados e mais pungentes.

Eu só o encontrei uma vez. Isto foi em 1992 na Tour publicitária do livro Praticamente Inofensiva. Douglas falou em Edimburgo, onde eu estava na universidade e nós trocamos algumas palavras sobre Brentwood enquanto ele assinou seu livro para mim. Eu já conhecia o ZZ9 Plural Z Alpha, o Official Appreciation Society do Guia do Mochileiro das Galáxias , mas só me juntei a eles depois que Douglas morreu. Sua morte aos 49 anos foi um grande choque para muitos, e isso me levou a procurar a companhia de outros fãs. Depois de escrever alguns artigos para a revista do clube, eu foi eleito para o comitê organizador, eventualmente tornando-me presidente quando tinha 42 anos de idade

Pouco antes da morte de Douglas, mudei de emprego para um em Cambridge. este me deu a oportunidade de pesquisar seu tempo lá, e agora eu faço passeios temáticos pela cidade no dia da toalha. De ZZ9  eu entrei  em um fandom de ficção científica mais amplo e a maioria dos meus amigos e pessoas do meu meio social  são fãs de Douglas Adams ou pessoas que conheci através dos fãs. Tenho amigos em todo o mundo por causa de Douglas, e não é subavaliação dizer que minha vida seria muito diferente sem ele ou sua criação.

 

Milho roxo – e várias outras cores:

 

MochileirosMay Santos e Rafael Pah

Assinem a petição para a série Dirk Gently continuar e curta a página Dirk Gently Brasil

 

Entrevista Sue Adams:

 

Trilha Sonora:

Música de abertura   – FEZSANTOS (Siga ele no SoundCloud e se inscreva no canal do YouTube)

Djavan – Açaí

Adele – Chasing Pavements

Mumford Sons – Little Lion man

The Police – Message in the Bottle

Ritchie – Menina Veneno

Os Paralamas do Sucesso – Alagados e Melô do Marinheiro

Eurythmics – Sweet Dreams

Kid Abelha – Pintura Íntima

TLC – Waterfalls

Dire Straits – Money for Nothing

Lorde – Royals

Elton John – Tiny Dancer

Red Hot Chilli Peppers – Otherside

Cláudio Zoli – Noite do Prazer

Procol Harum – A Whiter Shade of Pale

(Você já cantou pelo menos uma delas achando que era uma coisa, mas era outra…)

Confira nossa playlist no Spotify

Edição por Mateus Mantoan

Vocês podem enviar feedback para o nosso Twitter,  nos comentários abaixo e no e-mail [email protected]

Reproduzir
Written By

May

Uma whovian que nunca esquece de levar sua toalha na TARDIS e nunca dispensa uma xícara de chá. Ainda acha que vai encontrar a pergunta fundamental sobre A Vida, o Universo e Tudo o Mais em alguma viagem no tempo ou no espaço.