Vocês esperaram tanto, e hoje é o grande dia!

Além de ser o Dia da Toalha, conhecido mundialmente como O Dia Mais Legal do Ano, a animação do Projeto 42 está pronta, prontinha e SÓ POR HOJE aqui no Obrigado Pelos Peixes!

A animação baseada no trecho do capitulo 20, do livro “Até mais, e  obrigado pelos peixes!” (leia no final do post).

https://www.youtube.com/watch?v=oAHSn1ARJpM

O Projeto42 surgiu com a proposta de fazer 42 curtas com o universo de Douglas Adams como contexto.

Desde a concepção da ideia no final de agosto de 2012, até hoje, muita coisa aconteceu, o design dos personagens mudou várias vezes e até o roteiro foi trocado! No dia 19/10 surgiu a ideia de “Biscoitos na Estação”.

O curta começou de fato a ser produzido dia 17/12/2012, em passos lentos. Muito lentos por culpa de trabalhos extras, principalmente.

Mas dia 9/10 ainda de 2012, nos tornamos parte do site mais legal do universo! Esse.

E então tudo mudou. Na verdade mudou não, melhorou.
A parceria me deu um grande incentivo pra continuar e dela surgiram novas coisas como:

RUI: A micro série” – 22 de novembro de 2012
Verbete de quinta” – 07 de Fevereiro de 2013

Em meados de março coloquei na cabeça que ia terminar a animação a tempo pra estrear dia 25 de Maio. O que seria extremamente improvável de acontecer sem ajuda. Então eu pedi ajuda.

Foi quando criei a campanha no Catarse.me/42, em 19 de Março de 1013, com objetivo de arrecadar uma grana pra pagar uma galera que me ajudasse na empreitada.

E conseguimos!!! No dia 30 de Abril atingimos 100% da arrecadação pedida e quem apoiou o projeto vai ganhar recompensas e mimos como o DVD do curta. *_*

De lá pra cá tenho trabalhado o tempo todo. E finalmente tenho o prazer de publicar com exclusividade no OPP.

Espero que gostem do curta, porque se gostarem farei muitos outros.

Acompanhem as novidades por aqui e na página do facebook do Projeto42

 

Trecho do livro (Capítulo 20 – Até Mais, e Obrigado Pelos Peixes).

– Vou te contar uma história – disse Arthur.
– Está bem.
Encontraram um espaço na grama, relativamente livre de casais deitados um em cima do outro, sentaram-se e observaram os patos espetaculares e a luz do sol ondulando na superfície do lago que corria sob os patos espetaculares.
– Uma história – disse Fenchurch, aconchegando o braço dele no dela.
– Que vai te dar uma idéia do tipo de coisa que acontece comigo. É completamente real.
– Você sabe que algumas vezes as pessoas contam histórias que supostamente aconteceram com o melhor amigo do primo da sua mulher, mas que, no fim das contas, foram inventadas mesmo.
– Bom, parece mesmo uma dessas histórias, só que realmente aconteceu e eu sei que aconteceu, porque a pessoa com a qual tudo aconteceu fui eu.
– Como o bilhete da rifa.
Arthur riu.
– Exatamente. Eu ia pegar um trem – prosseguiu ele. – Cheguei na estação…
– Eu já te contei – interrompeu Fenchurch – o que aconteceu com os meus pais numa estação?
– Já – disse Arthur.
– Só estou conferindo.
Arthur deu uma olhada no relógio.
– Acho que já podíamos voltar – disse ele.
– Conte a sua história – respondeu ela, decidida. – Você chegou na estação.
– Eu estava uns vinte minutos adiantado. Confundi o horário do trem. Acho que é no mínimo igualmente possível – acrescentou, após uma breve reflexão – que a companhia de trens tenha confundido o horário. Nunca tinha pensado nisso.
– Tá, continua. – Fenchurch riu.
– Aí eu comprei um jornal, para fazer as palavras cruzadas, e fui até o restaurante para tomar um café.
– Você faz palavras cruzadas?
– Faço.
– Quais?
– As do The Guardian, normalmente.
– Eu acho que eles sempre tentam ser espertinhos. Prefiro a do Times. Você resolveu?
– O quê?
– As palavras cruzadas do Guardian.
– Ainda não tive chance de dar uma olhada nelas – disse Arthur. – Ainda estou tentando comprar um café.
– Tudo bem, então. Compre o café.
– Estou comprando. Estou comprando também alguns biscoitos.
– Que tipo?
– Rich Tea.
– Boa escolha.
– Também gosto. Com tudo isso em mãos, eu procuro uma mesa e me sento. E, antes que você me pergunte como era a mesa, não sei, não lembro, isso aconteceu há séculos. Provavelmente era redonda.
– Tá bem.
– Deixa eu recapitular a cena. Eu lá, sentado à mesa. A minha esquerda, o jornal. À direita, o café. E no meio da mesa o pacote de biscoitos.
– Estou vendo perfeitamente.
– O que você não vê – disse Arthur -, porque ainda não o mencionei, é um cara que já estava sentado nessa mesa. Ele está sentado na minha frente.
– Como ele é?
– Perfeitamente normal. Maleta de couro. Terno e gravata. Não tinha cara de quem estava prestes a fazer uma coisa estranha.
– Ah. Conheço bem esse tipo. O que ele fez?
– Ele fez o seguinte. Ele se inclinou sobre a mesa, pegou o pacote de biscoito, abriu, pegou um e…
– E?
– Comeu.
– O quê?
– Ele comeu.
Fenchurch olhou para ele, abismada.
– E que diabos você fez?
– Bem, diante das circunstâncias, fiz o que qualquer inglês viril faria. Fui obrigado a ignorá-lo.
– Como assim? Por quê?
– Bom, não é o tipo de coisa para a qual a gente está preparado, né? Vasculhei minha alma e descobri que não havia nada na minha criação, experiência ou até nos meus instintos básicos me dizendo como reagir diante de alguém que, sentado na minha frente, simplesmente, calmamente, rouba um dos meus biscoitos.
– Ah, você podia… – Fenchurch pensou a respeito. – É, tenho que admitir que eu teria feito a mesma coisa. E aí, o que aconteceu?
– Concentrei furiosamente a minha atenção nas palavras cruzadas – disse Arthur. – Não consegui preencher nada, tomei um gole de café, estava quente demais para beber, então eu não tinha nada para fazer. Me preparei. Apanhei um biscoito, tentando fingir que não tinha reparado que o pacote já estava misteriosamente aberto…
– Mas você reagiu, adotou uma postura firme.
– Do meu jeito, sim. Comi o biscoito. Comi deliberada e ostensivamente, para que ele não tivesse dúvida sobre o que estava fazendo. E, quando eu como um biscoito – disse Arthur -, devo dizer que não tem volta.
– E o que ele fez?
– Apanhou outro. Sério – insistiu Arthur -, foi exatamente o que ele fez. Ele apanhou outro biscoito e comeu. Tão claro como a luz do dia. Tão certo como estarmos sentados aqui no chão.
Fenchurch mexeu-se desconfortavelmente.
– E o problema – disse Arthur – é que, como eu não havia dito nada da primeira vez, ficou ainda mais difícil levantar o assunto da segunda vez. O que eu poderia dizer? “Com licença… não pude deixar de notar que…” Não dava mais. Não, eu o ignorei, até mesmo com mais vigor do que antes
– Esse é o meu homem…
– Olhei para as palavras cruzadas, novamente, não consegui fazer uma linha, aí, inspirando-me na coragem de Henrique V no Dia de São Crispim…
– Ahn?
– Eu ataquei novamente. Peguei outro biscoito. E, por um momento, os nossos olhos se encontraram.
– Assim?
– Sim, bem, não, não desse jeito. Mas se encontraram. Por um breve instante. E nós dois desviamos o olhar. Mas devo dizer – disse Arthur – que houve uma pequena eletricidade no ar. Havia uma pequena tensão crescendo naquela mesa. Àquela altura.
– Imagino.
– Acabamos com o pacote assim. Ele, eu, ele, eu.
– O pacote todo?
– Bom, eram só oito biscoitos, mas parecia que toda uma vida de biscoitos havia se passado diante de nós. Nem mesmo os gladiadores enfrentavam algo tão difícil.
– Os gladiadores – disse Fenchurch – teriam que fazer tudo isso sob um sol forte. Exige mais do condicionamento físico.
– É, tem isso. Enfim. Quando o pacote vazio jazia morto entre nós, o cara finalmente se levantou, já tendo feito o pior e foi embora. Eu suspirei aliviado, é claro. Anunciaram o meu trem um pouco depois, então terminei o meu café, levantei, apanhei o jornal e, embaixo do jornal…
– Ahn?
– Estavam os meus biscoitos.
– O quê? – perguntou Fenchurch. – O quê?
– É sério.
Ela ficou sem ar e se jogou de costas na grama, morrendo de rir.

Written By

Rafael Pah

Rafael Pah, mas pode me chamar de PAH. Faço desenho animado pra pagar minhas contas, sou programador e ilustrador nas horas vagas, apaixonado por ciência de todos os tipos, Vice Coordenador Regional da Mensa Brasil. 42: O importante não é a resposta e sim a pergunta.